O Brasil vai do Caburaí ao Chuí

Por Joaquim Magno de Souza

Ainda é muito comum que os brasileiros utilizem a expressão do Oiapoque ao Chuí quando querem dizer do extremo norte ao extremo sul do Brasil. Isso acontece por falta de conhecimento da geografia do país onde vivem, e também porque a imprensa tem contribuído pouco em divulgar a informação correta.

Durante muito tempo se considerou o ponto extremo norte do país como o Cabo Orange, localizado no Oiapoque, estado do Amapá.

Dados históricos revelam que em 1998, uma expedição oficial realizada sob a coordenação do prefeito de Uiramutã/RR, Venceslau Braz de Freitas Barbosa teria alcançado o monte pela primeira vez e confirmado ser o MONTE CABURAÍ o verdadeiro ponto extremo Norte do Brasil.

No entanto, esse fato não é nenhuma revelação recente. Já em 1931, a Serra do Caburaí aparecia como ponto extremo do norte brasileiro nas anotações do Capitão-de-Mar-e-Guerra Braz Dias de Aguiar, chefe da Comissão Brasileira Demarcadora de Limites. Aguiar, então, concluiu que o ponto extremo Norte do Brasil era a Serra do Caburaí em detrimento do Monte Roraima, situado aqui no estado do mesmo nome. Aliás, só para ilustrar o conhecimento de todos, o nosso estado recebeu o nome de RORAIMA em homenagem ao lendário e místico MONTE RORAIMA.

De fato, uma simples visualização cartográfica da região evidencia a localização mais setentrional do Monte Caburaí em relação ao Oiapoque, sem muito mistério. Basta olhar o mapa com um pouco de atenção.

Com base nestes dados é correto dizer que O BRASIL VAI DO CABURAÍ AO CHUÍ. Para os poetas ainda fica mais bonito, porque há rima na frase, e fica até mais agradável de expressar. A expressão Do Oiapoque ao Chuí foi sempre mal interpretada como referindo-se aos pontos extremos do Brasil, na verdade ela foi cunhada visando expressar a extensão do litoral brasileiro, facilmente visualizada nos mapas.

Portanto, para não cair no erro novamente, saiba diferenciar o extremo norte do país do início do litoral brasileiro, na sua face norte.

O Ministério da Educação, já reconhece oficialmente o fato desde 1998, data em que obrigou as editoras de livros a ratificarem a informação nos livros didáticos, o que parece não ter adiantado muito, sendo a expressão popular errada do Oiapoque ao Chuí vista até hoje como correta pela maioria do povo brasileiro, inclusive (e infelizmente) pela mídia de uma forma geral (há exceções).

Em 2005, no mês de junho, esteve em Roraima uma equipe composta de 30 pessoas, entre elas Oficiais do IME-RJ, comandada pelo competente Cel Cecílio, jornalistas, estudantes, representantes do IBGE (Srs Marco e Castro) para conferir e registrar em GPS de alta precisão os pontos culminantes e os pontos extremos do Brasil: tendo o Monte Roraima definido com a 7ª montanha mais alta do Brasil e o Monte Caburaí como ponto extremo do país. Nesta oportunidade, tive o nobre privilégio se compor a equipe dando todas as orientações e fazendo o guiamento para uma bem sucedida operação no Monte Roraima, e em seguida participando dos trabalhos no Caburaí.

No sentido de que os brasileiros conheçam melhor sua própria geografia, e assim se interessem ainda mais pelas suas belezas naturais aqui da nossa região, é que compartilho essa informação com todos.

Portanto, em suas próximas expressões, lembre-se:

O BRASIL VAI DO CABURAÍ AO CHUÍ.

E para finalizar: RORAIMA (RR) não é RONDÔNIA (RO), e Rondônia não é Roraima. A capital de Roraima é Boa Vista, e não Rio Branco (que é a capital do Acre). O estado de Roraima está ao norte do estado do Amazonas e Rondônia a sudoeste do Amazonas. Muita gente confunde uma coisa com outra. Conhecimento nunca é demais.

RORAIMA – BELEZAS SEM LIMITES !

Para conhecer nossas belezas, visite:

http://www.roraima-brasil.com.br

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...
Pin It

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>